Apesar de se dizer contra corrupção, Odilon se alia ao MDB e troca comando da campanha ”demitindo” Leite Schimidt

Apesar de suas crítica contra atos de corrupção, aliás o foco de sua campanha, o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, do PDT, aceitou ontem (10)o apoio do MDB, partido onde de alguns de seus próceres,como o ex-governador André Puccinelli e o e-deputao federal Edson Giroto estão na cadeia. Ambos têm acusações diversas que convergem exatamente para aquilo que o pedetista apregoa ser contra. Isso sem contar outros emedebistas envolvidos em escândalos em malversação do dinheiro púbico.

 

O MDB, que teve seu candidato ao governo Junior Mochi derrotado no primeiro turno (ficou em terceiro) anunciou apoio, mas dividido. Reação interna de alguns eemedebistas que foram contra o embarque no barco de Odilon fez com que a legenda decidisse deixar livre, sem imposições, aqueles que desejassem apoiar o governador Reinaldo Azambuja.

 

Odilon, também quando da adesão de MDB à sua campanha, anunciou que trocou também o comando de sua campanha. ”Demitiu” o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, João Leite Schimidt, de larga experiência pois foi deputado estadual, deputado federal, chefe da Casa Civil, secretário de Estado e integrante da Corte fiscal. O juiz aposentado colocou, no lugar de Schimidt, o vereador de primeiro mandato e derrotado nas urnas para deputado federal, Odilo Junior.

 

Com relação aos presidenciáveis, o candidato anunciou que apoia Bolsonaro contrariando, assim, decisão nacional do PDT que é oposição ferrenha ao capitão.





Esportes