Governador Reinaldo Azambuja diz que conclusão do Aquário do Pantanal depende da Justiça

O governador Reinaldo Azambuja reafirmou o compromisso do seu
governo de concluir o Aquário do Pantanal, paralisado há cinco anos em Capo Grande,
contudo disse que não colocará sua impressão digital em uma obra sob investigação sem o
aval da Justiça. “Sempre disse que sou contra a construção desse aquário com dinheiro
público, mas vamos retomar a obra quando tivermos segurança jurídica”, declarou.
Ao falar nesta quarta-feira (08) sobre reportagem veiculada na mídia abordando obras
inacabadas na Capital, Reinaldo Azambuja esclareceu que a atual gestão do Estado não pode
ser responsabilidade por uma edificação não concluída pelo governo anterior e que
apresenta uma série de irregularidades, as quais motivaram investigações e ações do
Ministério Público e da Controladoria-Geral da União. Ele também fez esclarecimentos
sobre o Hospital do Trauma.

 

“Se tem alguém com autoridade para dizer sobre obras inacabadas é o nosso governo”,
disse o governador. “Das 215 obras paralisadas que herdamos do governo anterior,
concluímos e entregamos 209 à população de Mato Grosso do Sul. As demais também serão
concluídas, mas precisamos de segurança jurídica para colocar dinheiro público. Não
queremos ser responsabilizados pelo que não fizeram e por irregularidades
administrativas”, completou.

 

Obra não prioritária

 

Reinaldo Azambuja lembrou que foi contra a construção do aquário quando ainda era
deputado federal, em 2014, salientando que não é uma obra pública prioritária, quando a
população campo-grandense e do Estado clama por mais hospitais, mais escolas, creches e
investimentos em infraestrutura. No entanto, entende que uma obra inacabada causa ainda
maior prejuízo ao Estado e a conclusão do aquário é uma das metas do seu governo.
“O governo anterior decidiu construir o aquário e deixou a obra pela metade e com sérios
problemas de ordem legal, e não podemos ser irresponsáveis em retomar um projeto sob
suspeição”, enfatizou. “Faltam R$ 38 milhões para a sua conclusão. Queremos terminar o
Aquário do Pantanal para não termos mais uma obra inacabada no Estado. Mas só vamos
colocar nossa impressão digital nessa obra com o aval da Justiça”, explicou.

 

Iniciado em 2011, o Aquário do Pantanal, edificado no Parque das Nações Indígenas, foi
paralisado em 2015. Incluída no Programa Obra Inacabada Zero, o projeto arquitetônicovem enfrentando uma série de entraves jurídicos que impedem sua retomada e conclusão.
Em julho de 2015, o Ministério Público Federal recomendou ao Governo do Estado a
imediata rescisão contratual do empreendimento apontando irregularidades licitatórias.

 

Hospital do Trauma

 

O governador Reinaldo Azambuja esclareceu também questões levantadas sobre o Hospital
do Trauma, em Campo Grande, que não iniciou atendimento ao público devido ao não
repasse, até o momento, dos recursos financeiros acordados pelo Ministério da Saúde. No
valor de R$ 6 milhões mensais o dinheiro para custeio foi garantido pelo ministério durante
a inauguração da unidade, em março desse ano.

 

“A decisão de abrir o hospital é da Santa Casa, uma entidade beneficente. Retomamos a
obra paralisada há 21 anos, colocamos recursos públicos em parceria com o Governo
Federal e a Prefeitura de Campo Grande. O hospital está pronto, foram investidos R$ 12
milhões em equipamentos. Nosso governo se comprometeu repassar R$ 2 milhões mensais
e o dinheiro está garantido. A nossa parte foi cumprida, está compactuada com a Santa
Casa”, disse ele.

 

Para Reinaldo Azambuja, a reportagem veiculada em rede nacional é comum em período
eleitoral, “quando as inverdades e mentiras começam a circular na mídia e nas redes sociais,
e nossa responsabilidade perante a população é esclarecer a verdade”. Ainda sobre o
Hospital do Trauma, esclareceu que pessoalmente tem se empenhado em garantir os
recursos federais. “Tenho falado diuturnamente com o ministro (Gilberto Occhi)”, frisou.





Esportes