Indústria da multa continuou em Campo Grande durante a pandemia, afirma Miglioli

A Prefeitura de Campo Grande não paralisou a industria da multa nem durante a pandemia, denuncia o engenheiro Marcelo Miglioli, pré-candidato a prefeito pelo Solidariedade, informando que no mês de março, o Diário Oficial de Campo Grande registrou 199 páginas de multas, totalizando 39 mil infrações lavradas contra condutores de veículos automotores na Capital. Marcelo disse que basta consultar os suplementos do Diogrande nas edições de 24 de março, 7 e 15 de abril, para verificar que “a industria continuou funcionando a todo vapor apesar da paralisação de diversas atividades na Capital”.

 

Em uma live com um pré-candiato a vereador pelo Solidariedade, Marcelo taxou de “inconcebível e absurdo o volume de notificações nesse momento de tantas dificuldades da população”.

 

Marcelo lembrou que fez a primeira denúncia, no mês de fevereiro, depois de constatar no Diário Oficial as 49 mil multas referentes a janeiro deste ano. Em função do coronavírus, que trouxe a pandemia, ele resolveu se concentrar nesse trabalho de saúde da comunidade. Porém, para seu espanto, o Diogrande voltou agora com nova avalanche de multas, num período em que as ruas estavam praticamente vazias, sem trânsito de veículos, com comércio, serviços e escolas fechadas.

 

“Nós fizemos uma comparação com dados oficiais do Rio de Janeiro, com dados oficiais de Curitiba e Campo Grande está anos luz na frente de qualquer outra Capital”, afirmou Marcelo Miglioli. Ele disse também que recebeu inúmeras denúncias de motoristas (principalmente via Facebook e Whatsapp) que foram surpreendidos com as multas que receberam e que não estavam nos locais afirmados pelo documento da multa. 

 

“O momento não é realmente de criar problema, porque a cidade, o país e o mundo atravessam a fase mais delicada de sua história, com o fechamento de milhares de oportunidades de empregos, de empresas, de alunos sem aula, de tudo parado, mas têm determinadas informações que nós temos que ter a responsabilidade de passar para nossa sociedade. Não dá para aceitar calado uma situação como esta onde num período de plena quarentena, 39 mil motoristas sejam penalizados por uma verdadeira indústria de multa que se instalou em nossa Capital”, criticou o pré-candidato a prefeito de Campo Grande.

 

Miglioli disse ainda que se as pessoas quiserem buscar essas informações das 39 mil multas, elas estão publicadas em três suplementos do Diário Oficial de Campo Grande nos dias 24 de março, 93 páginas; Dia 7 de abril, 74 páginas e no dia 15 de abril mais 32 páginas.

 

Marcelo disse que a prefeitura enfia a mão no bolso do cidadão para fazer frente às suas despesas porque não tem um projeto de desenvolvimentopara a Capital. “Nós vamos apresentar soluções através do projeto Pense Grande Campo Grande, onde vamos apresentar os planos e estratégias para a nossa Capital voltar a crescer e investir”, finalizou.

POLÍTICA