Na Santa Casa, técnica de ofurô proporciona conforto e calma a prematuros

Entre as técnicas que compõem o projeto de humanização da Neonatologia da Santa Casa está a aplicação de banhos de ofurô cotidianos nos bebês. A maior vantagem é proporcionar às crianças um relaxamento profundo e melhora psicológica capazes de influenciar na eficiência do tratamento pela eliminação do estresse. Isso ocorre porque minimiza os impactos da mudança ambiental sofrida pela criança prematuramente, e ocorre na medida em que a técnica proporciona ao bebê condições semelhantes às do útero materno.

 

Uma enfermeira especializada na aplicação dos banhos de ofurô em prematuros prepara a criança envolvendo-a em um tecido macio, em posição semelhante à que estava durante a gestação. Em seguida é feita a imersão na água, com temperatura semelhante à do útero, em um balde com proporções adequadas. A posição em que fica, a pressão externa e a temperatura causam sensações familiares na criança, estimulando as sensações de conforto e tranquilidade.

 

 

A responsável pelas sessões da terapia é a enfermeira Kátia Guimarães, que não consegue esconder sua satisfação com o que faz quando fala no assunto. “É muito bom para os bebês. É tanto relaxamento que até a gente se sente melhor ao ver”, revela. Kátia manipula as crianças lentamente e com extremo cuidado, organizando antes o ambiente do entorno. “É necessário que haja silêncio no ambiente e nada de movimentos bruscos, apenas uma música relaxante deve ser ouvida junto com poucas palavras em tom de afago”, explica Kátia.

 

O chefe da Neonatologia da Santa Casa, Dr. Valter Perez, fala nas vantagens que o ofurô no balde proporciona ao tratamento, em conjunto com as demais técnicas introduzidas. “A diminuição do estresse das crianças se converte em menos tempo de internação, adaptação mais rápida a rotinas, como a sucção e respiração, e isso tudo leva a criança mais cedo ao convívio familiar e à alta hospitalar”, esclarece o médico.

 

Fonte: Santa Casa





Esportes