Santa Casa de Campo Grande faz a quinta captação de órgãos e tecidos deste ano

A OPO (Organização de Procura de Órgãos) da Santa Casa de Campo Grande realizou  ontem (25) sua quinta captação em 2020. A mulher de 31 anos que teve um Acidente Vascular Encefálico (AVE) hemorrágico e evoluiu para morte encefálica doou córneas, fígado e rins, sendo que um deles permaneceu no hospital para ser implantado em uma paciente de Dourados.

 

O fígado e um rim da paciente foram encaminhados para São Paulo. O transporte da equipe e também dos órgãos teve o auxílio da Força Aérea Brasileira (FAB), grande parceira dos processos de doações no Brasil. O outro rim doado teve compatibilidade e foi implantado, também ontem, em uma paciente de 28 anos moradora de Dourados que fazia hemodiálise há pouco mais de dois anos. As córneas foram encaminhadas para o Banco de Olhos para análises e, posteriormente, serem transplantadas.

 

Em meio a pandemia declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o processo que envolve a doação de órgãos se tornou ainda mais cuidadoso no Brasil para que haja garantia da saúde dos profissionais e da qualidade do órgão a ser implantado e, principalmente, para que o gesto humano e altruísta da família doadora fosse ainda mais respeitado. 

 

Com sede na Santa Casa de Campo Grande, a OPO realiza o acompanhamento de todos os pacientes neurológicos graves que podem ser potenciais doadores e que, após a confirmação da morte encefálica realizada por meio de exames, estabelece o contato com os familiares e o acolhimento dos mesmos em busca do consentimento pela doação. Sendo de interesse dos familiares a doação dos órgãos, o passo seguinte é a busca de possíveis receptores nas listas estadual e nacional com apoio da Central Estadual de Transplante (CET). Não existindo condições de transplante no Estado a busca é realizada no Sistema Nacional de Transplantes.

POLÍTICA