Advogado de MS utiliza código QR Code em petição inicial e juíza defere a liminar

Para facilitar a comunicação com a juíza, o Advogado Wellyngton Ramos Figueira, proponente da ação, inovou e conseguiu o deferimento de liminar para que o nome de sua cliente fosse retirado dos cadastros de proteção ao crédito, através do QR Code.

 

O QR Code é uma espécie de código de barras, que pode ser escaneado por câmeras de celulares por meio de um aplicativo que redireciona para um link com conteúdo publicado na internet.

 

Ele usou o código para demonstrar à juíza a tentativa de resolução do litígio de forma administrativa, contudo sem sucesso. A Juíza, ao analisar a peça, deferiu então a liminar contra um banco.

 

“No caso dos autos, para que pudéssemos anexar o áudio como prova, foi preciso requerer em petição a juntada da mídia eletrônica em cartório, e só então, após o deferimento e o depósito do CD, o magistrado ter acesso ao conteúdo e poder analisar com cautela a liminar pleiteada. Isso gera um trabalho a mais tanto para o advogado, quanto para a própria secretária da Vara, que precisará armazenar essas mídias e procurá-las quando o juiz precisar consultar. Contudo, como era um caso que necessitava de celeridade, decidimos, em conjunto no escritório, por incluir na própria petição o áudio, através do código QR Code para que assim o magistrado pudesse ter prévio acesso ao documento de prova e quem sabe analisar o pedido urgente”, explicou.

 

O advogado explicou que esta foi a primeira petição do escritório com o uso da QR Code, mas que a partir de agora, o recurso deve continuar sendo aplicado.

 

POLÍTICA