PMA autua usina em R$ 1,8 milhão por incendiar palhada da cana-de-açúcar

 

Depois de dois dias de trabalhos de levantamentos da origem e causa de um incêndio em área de cana-de-açúcar e vegetação protegida de reserva legal e matas ciliares, Policiais Militares Ambientais de Dourados que trabalham na operação Prolepse autuaram ontem (16) uma usina sucroenérgética por incêndio. A autuação ocorreu depois que uma equipe da Polícia Militar Ambiental de Dourados localizou o incêndio no município de Ponta Porã, em uma área plantada de cana-de-açúcar na propriedade da empresa, atingindo vegetação nativa protegida na fazenda no dia 15 de setembro.

 

Desde o dia 15 e ontem (16) foram realizados levantamentos com uso de drones, GPS e imagens de satélites e a equipe verificou e aferiu a área incendiada que atingiu 208 hectares de área agrícola de cana-de-açúcar e palhada de milho, 286 hectares de área protegida de vegetação nativa de reserva legal da fazenda, 14 hectares de área protegida de preservação permanente de matas ciliares de córregos e 6 (seis) hectares de área plantada de eucalipto.

 

Área de cana-de-açúcar incendiada,

 

A determinação da origem do incêndio foi na cana-de-açúcar e se alastrou para as demais áreas, o que também foi admitido pelos responsáveis pela empresa. A queima controlada está suspensa no Estado. A empresa sucroenergética, com domicílio jurídico em Ponta Porã, foi autuada administrativamente em R$ 1.784.000,00 (um milhão setecentos e oitenta e quatro mil reais).

POLÍTICA